Boletim de Notcias

Cadastre-se e receba informaes do CRF AP no seu correio eletrnico

Pela 1 vez, OMS publica lista com diagnsticos essenciais para centros de sade

Postado em 18/05/2018 as 20:08:13

A Organizao Mundial de Sade publicou, pela 1 vez, uma lista de 113 diagnsticos as quais todas as pessoas deveriam ter acesso. Tratam-se dos testes mais comuns, como para deteco do HIV e diabetes, at de doenas prioritrias para o combate global: como a malria. Os testes so recomendaes e no tm o poder de serem obrigatrios; as decises da OMS, entretanto, servem para justificar e validar polticas de sade de governos locais.

A lista com os testes chega para complementar uma outra mantida pela OMS a de medicamentos essenciais, que existe h mais de quatro dcadas. Ela foi elaborada entre os dias 16 e 20 de abril desse ano em reunies com 19 especialistas nos arredores da sede da OMS em Genebra (Sua).

A iniciativa importante por motivos que vo desde ao tratamento a um melhor uso de recursos. A ausncia de testes de rotina para HIV e tuberculose, por exemplo, podem deixar as doenas mais difceis de tratar e facilitar sua disseminao: tratamentos antirretrovirais hoje contra o HIV, por exemplo, tm o poder de deixar a carga viral to baixa que soropositivos para o vrus perdem o potencial de infectar outras pessoas.

Outro ponto que a ausncia de diagnstico atrasa tratamentos: a OMS estima, por exemplo, que 46% dos adultos mundialmente no receberam o diagnstico para a diabetes tipo 2. A condio pode levar cegueira e amputao se no tratada juntamente com outras consequncias txicas para o organismo.

"Um diagnstico preciso o primeiro passo para obter um tratamento eficaz", diz o Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, em nota.
"Ningum deveria sofrer ou morrer por falta diagnstico, ou porque os testes certos no estavam disponveis."

Exames dependem de avaliao

Os 113 testes so divididos em dois grupos: 58 para o diagnstico de condies comuns, como o rastreamento de sangue e urina; e os outros 55 para doenas prioritrias para o monitoramento e controle, como HIV, tuberculose, malria, hepatites B e C, HPV e sfilis. Confira alguns;

Hemoglobina - para deteco de anemia;
Contagem de glbulos brancos - para deteco de infeces;
Albumina - para detectar m nutrio, doenas do fgado e do rim;
Glicose - para diagnosticar diabetes e hipoglicemia;
Hemoglobina glicada - para monitorar diabetes;
Diagnsticos para Hepatite B;
Diagnsticos para Hepatite C;
Testes para HIV;
Testes para malria;
Testes para tuberculose (a depender das condies laboratoriais, pode incluir mapeamento para bactrias resistentes);
Testes para sfilis;
Testes de eletrlitos (monitoramento de danos a rgos);
Protena C-Reativa (para detectar inflamaes; tambm um indicador de doena cardiovascular);
Perfil de lipdios (colesterol, triglicrides);
Bilirrubina - Monitora doenas de fgado, pncreas e pode indicar anemia;
Exames de urina (para detectar contagem de clulas brancas e vermelhas, bactrias e outros micro-organismos);
PH do sangue e gases (para detectar funo pulmonar, metablica e monitorar terapias com oxignio);
Creatinina (marcador para uma srie de condies, como infeces generalizadas);
Painel metablico (pode incluir glicose, clcio, creatinina);

Segundo a OMS, muitos dos testes so adequados para cuidados de sade primrios como Unidades Bsicas de Sade; j outros, necessitam de hospitais com laboratrios. A entidade indica que a lista bsica e ser agora atualizada periodicamente. O principal intuito, entretanto, ajudar pases em desenvolvimento a decidir para onde vai o investimento.

Nosso objetivo fornecer uma ferramenta para testar e tratar melhor, mas tambm indicar o uso de recursos de forma mais eficiente, afirma Maringela Simo, diretora-geral adjunta da OMS para medicamentos e vacinas, em nota.

A OMS indica que a adoo dos testes vai depender da opinio do mdico que vai analisar a necessidade individual por meio dos sintomas e de dados epidemiolgicos do entorno: por exemplo, um pedido para testes de malria deve considerar se a pessoa mora em um pas endmico ou se viajou recentemente para regies onde h transmisso.

Fonte: G1 - Bem Estar

Conselho Regional de Farmcia do Amap
R: Professor Tostes, 914A - CEP: 68900 479 - Fone: (96)3223-8988
E-mail: crfap@crfap.org.br Atendimento: 09:00 hrs s 12:00 hrs e 14:00 hrs s 18:00 hrs