Boletim de Notcias

Cadastre-se e receba informaes do CRF AP no seu correio eletrnico

Transplante de medula ssea beneficia tratamento de 80 doenas

Postado em 02/04/2018 as 09:07:43

De acordo com o Instituto Nacional de Cncer (Inca), o transplante de medula ssea pode beneficiar o tratamento de cerca de 80 doenas em diferentes estgios e faixas etrias. A farmacutica Maria Olvia Zanetti lembra que, alm das clulas-tronco da medula ssea, hoje tambm tem sido possvel realizar esse procedimento a partir das clulas de sangue perifrico e do cordo umbilical. Essas so alternativas de tratamento quando a terapia convencional no tem sido efetiva no caso de enfermidades como, por exemplo, a leucemia, tipo de cncer no sangue que comea na medula ssea.

O transplante permite substituir as clulas doentes por clulas-tronco do doador e normalizar a produo dos elementos do sangue, o que pode possibilitar maior tempo de vida ao paciente. O Transplante indicado para vrios tipos de neoplasias hematolgicas, como leucemias crnicas ou agudas, sndromes mieolodisplsicas, mieloma mltiplo e linfomas. Algumas doenas no neoplsicas tambm tm sido tratadas com sucesso pelo transplante de clulas tronco, como por exemplo, anemia aplsica severa, anemia de falciforme, anemia falciforme, as hemoglobinopatias e as doenas autoimunes".

De acordo com a especialista, um dos maiores problemas hoje encontrar um doador compatvel para realizar o procedimento. O doador ideal como um irmo compatvel - s est disponvel em cerca de 25% das famlias brasileiras. Com isso, em 75% dos casos preciso encontrar um doador alternativo a partir dos registros de doadores voluntrios, bancos de cordo umbilical e parentes parcialmente compatveis. Ento, se houver compatibilidade, o doador convocado para fazer uma doao. A chance de encontrar uma medula com algum que no da famlia em mdia de uma em cem mil. Se a doao for das clulas da medula, o procedimento feito em centro cirrgico e sob anestesia geral e requer internao".

Maria Olvia ressalta a importncia da atuao do farmacutico na equipe responsvel pelo transplante. Esse o tema do doutorado dela no Centro de Pesquisa em Assistncia Farmacutica e Farmcia Clnica da Universidade de So Paulo. Esse profissional pode atuar com a equipe multiprofissional para promover a segurana do paciente e contribuir para o sucesso do procedimento. Ele ir detectar, prevenir e resolver problemas relacionados ao uso de medicamentos.

O gerenciamento do regime farmacoteraputico dos pacientes submetidos ao transplante de clulas tronco muito complexo. Envolvendo, por exemplo, quimioterpicos, anti-hemticos, analgsicos, antifngicos, antivirais, antibacterianos, imunossupressores e anti-hipertensivos. Com o surgimento de quimioterapias menos severas e melhorias nas terapias adjuvante, incluindo os novos antimicrobianos, a taxa de transplantes bem sucedidos aumentou. Dessa forma, o transplante est sendo realizado em pacientes com idades cada vez mais avanada e com presena de outras doenas, consequentemente eles usam um nmero ainda maior de medicamentos".

Para ser doador voluntrio de medula ssea preciso ter entre 18 e 55 anos de idade. No ter doenas infecciosas, incapacitantes, hematolgicas, neoplsicas ou imunolgicas. O cadastro de doador voluntrio pode ser feito nos hemocentros localizados em vrios cantos do Pas. Na ocasio o doador preenche uma ficha e recolhe uma pequena quantidade de sangue para a realizao dos exames de compatibilidade

Maria Olvia lembra que, nos primeiros trs dias aps a doao, o doador pode ter um desconforto localizado, manejado com uso de analgsicos. Normalmente os doadores retornam s suas rotinas depois de uma semana do procedimento.

Oua esse e outras entrevistas exclusivas na Rdio NewsFarma (www.newsfarma.org.br), a Rdio do sistema CFF/CRFs.


Conselho Regional de Farmcia do Amap
R: Professor Tostes, 914A - CEP: 68900 479 - Fone: (96)3223-8988
E-mail: crfap@crfap.org.br Atendimento: 09:00 hrs s 12:00 hrs e 14:00 hrs s 18:00 hrs